Central de Agendamento: (71)3327- 8181 ou 3039-8181
  • Queda no número de mamografias no Brasil preocupa especialistas

    17501926

    Queda no número de mamografias no Brasil preocupa especialistas

    Pesquisa da Sociedade Brasileira de Mastologia revelou índices alarmantes no país

    Um dos exames mais importantes para o diagnóstico precoce do câncer de mama tem sido deixado de lado por boa parte das brasileiras entre os 50 e 69 anos, que têm indicação para realização anual do procedimento. Conforme pesquisa da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), o número de mamografias realizadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) é preocupante em alguns Estados brasileiros.

    O pior indicador foi verificado no Distrito Federal, onde o índice de mulheres que realizaram o exame caiu para 1,5% em 2015 ante 16% em 2014. O estado ficou atrás do Amapá, que tem cobertura de 3,9%, e Acre, onde 6,1% fizeram o exame.

    Leia mais:
    Câncer de mama: como identificar, prevenir e tratar
    Quatro entre 10 diagnósticos de câncer de mama foram feitos antes dos 50 anos, mostra estudo
    Novo estudo renova esperanças no combate ao câncer de mama

    No Rio Grande do Sul, os números são mais positivos, mas não chegam a empolgar os especialistas. Ao longo de 2015, foram feitas 202 mil mamografias no Estado, o que corresponde a 27% da população feminina entre 50 e 69 anos.

    — Não chega nem à metade de quem tem a recomendação, e o risco disso é fazer o diagnóstico tardio. Aqui em São Paulo, o tamanho médio de um tumor identificado na população que se cuida é de 1,6 cm. Na Santa Casa e no Hospital São Lucas, em Porto Alegre, a medida é de 5 cm — destaca o presidente da SBM, Antonio Frasson.

    Na maioria dos casos, quanto menor o tumor, maior é a chance de cura, o que justifica a importância do diagnóstico precoce. Outra preocupação da SBM é em relação ao tempo que as mulheres levam para chegar a um especialista. Segundo Frasson, depois de receber o diagnóstico de câncer de mama, em geral, é preciso esperar entre seis meses e um ano para ter acesso aos médicos e ao tratamento.

    — Preocupa, também, o acesso àquelas que tiveram a doença. Quando conseguem consultar com um mastologista e marcar cirurgia, o acesso à radioterapia é demorado — lamenta.

    Minas Gerais foi o Estado que teve o maior índice de mamografias no Brasil. Lá, 35% das mulheres na faixa determinada fizeram o exame. Para a SBM, o ideal é que todas as mulheres entre 50 e 69 anos façam a mamografia uma vez por ano ou, pelo menos, a cada dois anos.

    Publicada em 06/03/2017 17:30:58

Galeria de Imagens